Quero ser escritor também! Você tem algumas dicas?
Muitos escritores como Paulo Coelho, Cora Coralina, Zélia Gatai, entre tantos outros, começaram a escrever, publicar ou fazer sucesso bem tarde. Tenha você 8 ou 80 anos, comece agora, porque escrever leva tempo. Cada dia passado não volta mais, é tempo perdido. Não tentar pode ser muito mais doloroso do que fracassar, e não se apresse em publicar. Você deve ter objetivos e metas!

Além de seus amigos e familiares,  peça para diferentes pessoas avaliarem o material, como críticos, jornalistas ou leitores profissionais. É difícil para qualquer escritor aceitar críticas, mas você deve recebê-las como algo positivo, procure encarar isso com naturalidade. Tenha autocrítica também. Seus amigos e familiares sempre dirão que seu livro “é muito bom”.

Com o meu livro de humor Como enlouquecer sua sogra ouvi dizer que meu livro era sub-literatura. Não liguei. Algumas editoras queriam o livro. Milhares de exemplares foram vendidos, graças a Deus! Não se esqueça: seu livro sempre desagradará a alguém – principalmente aos invejosos. Há quem goste do meu trabalho humorístico, há quem prefira meu trabalho como ensaísta. É a vida.

Como devo escrever? Quais são as técnicas?
Lembre-se de suas aulas de redação e de língua portuguesa. Cada autor tem suas características próprias. Antes de ser um bom escritor, você deve ser um bom leitor. Tenha preferência pelas frases curtas. Seja objetivo. Não seja tão rígido (a gramática te perdoa).

Já finalizei meu original. O que faço agora?
Antes de enviá-lo para as editoras, pague um profissional para fazer a revisão. Registre seus originais no escritório de direitos autorais na Biblioteca Nacional. O procedimento é simples e está descrito no site. Depois de receber o certificado de registro ou averbação, mande seu original para todas as editoras que você acha que têm o perfil para publicar a sua obra, juntamente do registro, da apresentação da sinopse e de uma carta de apresentação bem caprichada, mas evite os exageros. Leia atentamente as próximas respostas, ok?! Isso vai te ajudar muito.

Seja conciso e objetivo. Seja criativo para se destacar dos outros aspirantes a escritor. Entre no site das editoras e observe as orientações específicas para o envio de seu livro. Algumas preferem um contato inicial via e-mail. A primeira análise geralmente é feita pelos primeiros capítulos do livro.

Jamais diga que outras editoras estão interessadas em seu livro. Se estão, por que você está mandando para aquela?

Evite retórica sobre si mesmo, dizendo o quanto você é espetacular. Foque-se no seu produto. Venda seu livro, não sua pessoa. Evite exageros. Lembre-se: o “não” faz parte da vida do escritor. Diversas vezes, antes do tão esperado “sim”, você receberá de volta seus originais e poderá verificar que, muitas vezes, eles nem sequer foram folheados.

Só recebi “nãos” das editoras. O que devo fazer?

Você pode pagar a edição do seu livro. Lembre-se de que Paulo Coelho, um dos escritores mais conhecidos do Brasil, pagou os custos do seu primeiro livro, publicado em 1982. Hoje no mercado existem as editoras alternativas que fazem a editoração e impressão dos originais custeadas pelo autor. Algumas oferecem até noite de autógrafos, coquetel e convites. Além disso, você pode ainda procurar os serviços de uma gráfica.

Quais os maiores erros dos escritores inexperientes?
1) Já é difícil ser publicado e se você ainda fica ligando para a editora para saber se alguém leu seu original ou para dizer o quanto seu livro é bom, será um tiro no peito. Apenas envie seu material como carta registrada e aviso de recebimento. Só isso!

2) Mandar originais para editoras que publicam livros diferentes do seu gênero.

3) Pedir para um primo que tirava notas boas em português no ensino fundamental não basta; pague um profissional para corrigir seu trabalho.

4) Antes de imprimir seu trabalho e enviá-lo às editoras ou às agências, visite o site delas. Muitos preferem uma apresentação via e-mail do seu trabalho, com as características do livro (gênero, assunto, público alvo, páginas...). Sua mensagem deve estar no corpo do e-mail. Não anexe nenhum documento, a não ser que lhe seja solicitado.

Se você tem mais de um livro, mande um de cada vez. Não envie vários projetos num mesmo envelope só para economizar na postagem. Cada original é único. Nada de pacotes.

5) Letras muito pequenas ou muito grandes, negrito, itálico. Escolha uma boa fonte com um tamanho adequado.

Por último, se seu trabalho foi rejeitado, não ligue, não envie fax nem mande e-mails para tirar satisfações. O mercado editorial é pequeno e as editoras são parceiras. Portanto, seja paciente e acredite no seu trabalho. Seja profissional.

Onde você escreve?
Desde a adolescência (quando comecei a escrever) escrevia trancado no meu quarto (no meu mundo). Só conseguia me expressar através da poesia e só escrevia no quarto. Hoje escrevo em qualquer canto da minha casa. Mas também posso escrever num clube, numa escola, num avião... em qualquer lugar que eu possa levar meu computador, me sentindo confortável para o ofício. Jamais escrevo à mão, sempre uso meu PC.

Não tenho uma disciplina para escrever, tampouco o hábito de ficar anotando coisas que me vêm à mente. As ideias boas sempre permanecem na minha cabeça; as ruins, somem. Escrevo só quando me dá vontade. Assim como só bebo água quando estou com sede. A exceção é para chocolates! Agora, o mais importante é fixar-me em minha imaginação para que o ambiente externo não me traga estímulos visuais.

Como foi seu aprendizado? O que você lê?
Aprendi muito com as leituras dos meus cursos de literatura. Para ser um bom romancista, deve-se ler muitos romances. Além do dom natural, para ser um bom poeta, deve-se ler muitos poemas. Para ser um bom contista, deve-se ler muitos contos. Só a leitura lapidará seus textos. Dedique-se à literatura e à sua narrativa. Leia sempre os clássicos. Gosto de Machado de Assis, Júlio Ribeiro, Guimarães Rosa, Clarice Lispector, Augusto dos Anjos, Manuel Bandeira, Carlos Drummond de Andrade, enfim de quase todos os clássicos da nossa incomparável Literatura Brasileira.

Quero ter um autógrafo seu. Você pode autografar um de seus livros para mim?
Claro que sim! Tenho uma ótima relação de amizade com meus leitores. Envie o livro, com envelope de devolução pré-pago, e terei o maior prazer em autografá-los. Qualquer dúvida, entre em contato. Se você quiser completar sua Coleção Andrey do Amaral, mande-me uma mensagem com os livros que você ainda não tem.

Existe a profissão de escritor?
Como profissão oficializada ainda não. O Projeto de Lei nº 4.641, de 1998 (do Dep. Antônio Carlos Pannunzio), que trata de sua regulamentação, está em trâmite. 99,9% dos escritores têm outra profissão. São poucos autores que conseguem viver de literatura. Nos Estados Unidos e Europa viver de direitos autorais é algo mais real e possível. Para mim, ser escritor é mais paixão do que profissão. Agora, é importante, sim, lutar pela profissão, pelo direito autoral. A legislação sobre os direitos autorais é a Lei nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998.


Veja como está o andamento do processo, clicando aqui




© Copyright Andrey do Amaral - Todos os direitos reservados - desde 2002